Por Direito de Ouvir

16 de junho de 2022

Estou me sentindo uma mulher biônica!

Teusita Tom, tem 59 anos e é paciente da nossa parceira Jeanne Guimarães, desde 2015.

16 de junho de 2022



Olá! Me chamo Teusita. Tenho 59 anos e estou com Direito de Ouvir desde 2015.

Descobri minha perda auditiva após uma gripe muito forte e uma terrível dor de ouvido. Comecei a perceber que eu tinha a sensação de estar sempre descendo a serra, ou seja, a sensação de ouvido tampado. Como eu já tinha o tímpano furado no ouvido esquerdo, eu ouvia melhor com o direito e, após essa gripe, não conseguia ouvir bem nem com o direito - principalmente atender celular ou telefone.

Depois de muito tempo de reclamações e críticas de familiares e amigos, algumas vezes muito preconceito e falta de paciência, percebi que necessitava de ajuda, foi muito difícil aceitar que era deficiência auditiva.

Conheci a Direito de Ouvir pelo Facebook, em alguns anúncios que vi, e então resolvi testar. Não vou negar que os valores me assustaram mas, após realizar um teste de 7 dias e ser atendida pela Fonoaudióloga Jeanne Guimarães, me senti acolhida e segura sabendo que posso contar com a empresa a todo instante para sanar minhas dúvidas e necessidades.

Nem preciso dizer que o que mais me ajudou, além de escutar melhor, foi o acolhimento da minha fonoaudióloga Jeanne. Ela ajudou a me sentir segura e compreender minha atual condição, me aceitar.

Mas a cereja do bolo, na minha opinião, foi o aparelho auditivo recarregável e adquirir o acessório de conectividade que, quando foi pareado com o meu celular, foi o máximo! Amei!!

Estou me sentindo uma mulher biônica!

 Teusita Tom, tem 59 anos e é paciente da nossa parceira Jeanne Guimarães, desde 2015.

Marcadores
Experiência do Paciente
Nós usamos seus dados para analisar e personalizar nossos anúncios e serviços durante sua navegação em nossa plataforma. Ao continuar navegando pelo site Direito de Ouvir você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las